segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Sem fim


Minha mãe ligando o motor do carro. Eu sentada quietinha no banco de trás. Vovó correndo até a calçada e colando a mão no vidro da minha janela. Eu ainda quietinha. Vovó batendo de leve com os dedos para que eu olhasse. E eu levantando o rosto devagarzinho. Vovó colando novamente a mão no vidro, e me sorrindo. Então eu levantando a mão lentamente para colar por dentro do mesmo vidro, por dentro da mão dela. Vovó mexendo a mão por todo o vidro da janela, para que a minha mão se mexesse em busca da dela. E eu buscando. Vovó descolando e colando a mão, enquanto eu tentava acompanhá-la. E pedacinho a pedacinho, meu sorriso crescendo em frente ao seu. Mamãe com o motor ligado, esperando nossa despedida que, na verdade, era sem fim. Uma mão, depois outra; uma batida por fora e outra por dentro. Nossos risos se encontravam finalmente, e minha mão continuava na janela enquanto o carro começava a se afastar. Vovó acenando e eu partindo com um sorriso contente porque a amava tanto que era preciso sorrir. Nada demais, entende? Mas que saudade do som da mão dela batendo no vidro para procurar pela minha.

17 comentários:

  1. E essas são as pessoas que mais deixam saudade, mesmo a gente não dando tanto valor às vezes. Lindo post!

    beeijo :*

    ResponderExcluir
  2. "...com um sorriso contente porque a amava tanto que era preciso sorrir."

    Despedidas, quando se há amor, carinho e um vínculo tão forte quanto esse de avó e neta, é bem difícil...

    Mas o que é a dor de uma partida, se comparado à intensidade de um sorriso, da neta que ama a sua avó?

    Belas palavras, Lari.
    Como tudo o que existe aqui.

    Fique bem!

    Deus te abençoe. ( :

    ResponderExcluir
  3. "Mamãe com o motor ligado, esperando nossa despedida que, na verdade, era sem fim."

    Que texto cativante, algo simples, singelo, mas que demonstra uma interessante composição de detalhes.Coisas que parecem bobas, mas que no fim, fazem grande diferença!

    ResponderExcluir
  4. De fato, amor maior que o de vó, apenas o de mãe. A minha única vó mora comigo e isso é perfeito pois não me permite sentir tanta saudades dela, apenas quando viajo. Querendo ou não, avós são mais nossas educadoras de que nossas mães e pais. Adorei o texto! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Eu entendi. Porém gostaria de não ter entendido, confesso. Não gostaria de entender que isso não é despedida. é lembrança, saudade. É aquilo que sempre vai ficar. é a reticências de algo que só parece acabar. E isso me fez lembrar tantas coisas. Coisas doídas demais.

    Meu beijo!

    ResponderExcluir
  6. "Uma mão, depois outra; uma batida por fora e outra por dentro."
    Lembro-me das despedidas que fiz, de como cada ação dessas pessoas tão importantes pra mim vieram a minha mente, o quanto os gestos mais simples me impactaram de forma única. Despedir-se é uma angústia, uma nostalgia que nos deixa totalmente entregues.

    ResponderExcluir
  7. Essas pessoas deixam tanta saudades em nós, as vezes não queria que houvesse um fim, uma despedida.

    LINDO.
    Estou seguindo você!
    beijinhos :*

    ResponderExcluir
  8. Vó e saudade são elementos indissociáveis pra mim. Nunca acaba, nunca é o suficiente. :}
    Lindo texto, minha querida, como sempre. Por acaso acabo de escrever sobre saudade, um tipo um pouco diferente, mas saudade boa, saudade de amor que nos faz sorrir pois essa é a única maneira de dar vazão a tamanha felicidade.
    E saudade daqui também, claro. Beijos :}

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Somos do Projeto Créativité e lhe convidamos para dar uma olhadinha, e se possível participar!

    http://projetocreativite.blogspot.com

    Agradecemos :D

    ResponderExcluir
  10. Que texto lindo!
    Saudade é um sentimento louco né?
    Mas é muito bonito também!!!

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. muito show esse blog e esse texto, parabens viu !
    a saudade é mesmo muito dificel, eu digo isso porque eu sei, mas acho que ela serve para mostrar quem nós amamos de verdade.
    Um abraço (:

    ResponderExcluir
  12. Ah que graça.. Muito bonitinho. Amei o texto, muito sentimento.

    ResponderExcluir
  13. Que lindo, imaginei a cena perfeitamente, linda... Doce, nunca tive uma ligação assim com minhas avós, mas sempre achei lindo.

    Beijo, querida, aguardo sua carta! :)

    ResponderExcluir
  14. Lindo seu texto.
    Tem certas coisas que são bem "simples", mas que se tornam inesquecíveis.

    ResponderExcluir