quinta-feira, 19 de março de 2009

Para sempre é temporário.

Lya Luft diria que às vezes "a linguagem torna-se simples e mesmo supérflua". E eu diria que a minha primeira dedicatória é sua, num sempre temporário em que guardá-la.
-

Para sempre é temporário.
É uma fração do inteiro. Uma parte limitada de algo que não sabemos nem ao menos se tem fim.
Os dias surgem iguais - inteiramente diferentes uns dos outros.
Sabemos como o céu se torna claro e depois escuro. Como mudam as estações e para que lado gira o ponteiro dos relógios. Sabemos de milhares de coisas decodificadas, catalogadas e cientificamente comprovadas. Sabemos a que ritmo acelerar os passos, a distância dos astros e a inevitável fatalidade gravitacional.
Sabemos, sabemos, e quase nunca temos certeza.
Porque o imprevisível nos atinge antes que possamos esperá-lo.
As expectativas médias, calculadas para o futuro, são quase tão seguras quanto ler as linhas das mãos.
Giramos como um disco - capazes de tocar as mesmas músicas e pular algumas faixas.
Grandes escritores falam em efemeridade.
E não é nada além da mudança.
Nada além dos sentimentos em metamorfose.
Poucos pontos são constantes, quase nenhum. Somos cercados do instável, e fingimos adivinhá-lo.
Todas as pessoas que nos importam já foram um dia desconhecidas. Todas as nossas conquistas passaram a fase de simples objetivos. Todos os nossos valores nasceram de impressões. Todas as nossas verdades inquestionáveis já foram questionadas.
Tudo já foi o que não é mais, nem será.
Não há como apostar sem chance de erro na forma que os fatos assumirão. Eles permanecem suspensos, prestes a serem desviados.
Retas idealizadas também se curvam.
E uma bailarina pode voltar às suas sapatilhas sem o vaga-lume.
As cartas, as pedras, os signos e os tabuleiros não podem dizer o que nos diz o percursos.
Andamos. Giramos. Mudamos.
Tentamos o tempo do para sempre. E talvez ele nos alcance, amanhã ou depois, em alguém que no afete, em algo que nos modifique.
Sempres temporários.
Como as borboletas que só duram 24 horas.

22 comentários:

  1. Putzzz....muito real isso!!
    Ppost massa mesmo!!
    Parabéns pelo blog!
    bjss..
    Já recomendo no meu blog!

    ResponderExcluir
  2. Linda a postagem, viu! *-*

    Oiiee
    você foi indicada para um selo lá no meu blog!
    'Manifesto Jovens que Pensam'

    Parabéns por merecê-lo!
    Passa lá... deixe seu comentário e repasse o selo! :)

    Um grande beijo! ;@

    ResponderExcluir
  3. Oi...td bem?
    Muito bom o post...

    Tenha um bom Final de Semana..

    Bjao

    ResponderExcluir
  4. Já pensou se nós merecermos a Vida Eterna?
    Eu pensava nisso em adolescente, e me perguntava: Será que eu não vou ficar maluco de tanto viver?
    Hoje, acho que Nosso Senhor é tão bom, mas TÃO BÃO MESMO, que tem até o antídoto para maluquice de tanto viver no Paraíso.
    Eis o Mistério da Fé.
    Teologia é uma ciência muito pretenciosa, vc não acha? Veja a etimologia da palavra.

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto como sempre (:
    saudades daqui

    ResponderExcluir
  6. Oi querida...
    Estava com saudades dos seus posts.

    Sim, tantas incertezas na vida... mas o ser humano tem em sua essência o desejo de Certeza, com C maiúculo.
    Um amigo meu diz que é melhor viver na dúvida, pois qq certeza é radical. Eu não concordo. Eu tenho a certeza do amor dos meus pais, mesmo que eu brigue com eles e jure nunca mais olhar para os dois. Vejo essa certeza na forma como eles me olham, e isso não me parece radical.
    E de certa forma é natural, mas nunca óbvia. É como subir uma escada, você só se apoia com a certeza de que cada degrau está ali. É claro que as situações mudam, as pessoas mudam. Mas aquela certeza que sustenta nunca deixa de estar ali.

    Um beeijo!

    ResponderExcluir
  7. e simplesmente os donos da situaçaõ são o tempo e o ponto de vista.e no fim o que resta é essa metamorfose em explosão.

    adoro borboletas.não sabia que existia uma especie que dura somente 24h :/

    beijosmil,Mah.

    ResponderExcluir
  8. O tempo sabe tudo. Ele nos dar as respostas. Nos cura das dores desse mundo, nos faz forte para mais uma.. o tempo sabe tudo. E como diz Chico Buarque em uma de suas canções: "tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu...". Eu me sinto assim, às vezes. E dói. Mas o tempo vem, como uma borboleta (quase sem deixar rastro), e apaga nossas dores. A vida é isso: renovação e aprendizagem.

    Gostei muito daqui.

    Meu beijo, bonita.

    ResponderExcluir
  9. Acho que as incertezas da vida é que nos incentivam a viver... aliás, se tivéssemos respostas para tudo, não teria graça...
    Não mudariamos, não teriamos pontos de vistas diferentes...
    Aidna não cheguei ao fim, e nem quero chegar tão cedo, mas acho que no final tudo se complementa...!

    Como sempre, post maravilhosos!
    Bjos. xD

    ResponderExcluir
  10. Nossa, muito bom.
    'Todas as pessoas que nos importam já foram um dia desconhecidas.'
    Achei essa frase muito real! Beijoos.

    ResponderExcluir
  11. Olá moça,

    o dogMas esta concorrendo na categoria BLOG REFLEXIVO neste site:

    http://tracosdeumhomem.blogspot.com/2009/03/tracos-golden-awards-apresenta-os.html


    Se você acompanha e aprecia o que escrevo... passa por lá e vote.

    Eu e o dogMas agradecemos.

    ResponderExcluir
  12. rsrs
    Poo so vc ter gostado valeu a pena, te perdoo de qualquer coisa rsrs
    Sei la, acho que so sai coisas sinceras sabe ? pensamentos interiores..
    Valeu por me seguir, significa muito pra mim
    Brigadaoo
    Beijoo

    .

    ResponderExcluir
  13. "Giramos como um disco - capazes de tocar as mesmas músicas e pular algumas faixas."

    Gosto muito do jeito que você escreve, me lembra o jeito de uma grande amiga minha que mora longe agora, eu adoro esse lugar. Sempre me faz refletir um pouco.

    ResponderExcluir
  14. Que texto, ein?
    Nossa, me identifico demais com seus textos, seu jeito de escrever é um tanto quanto cativante.
    Obrigada pela sua visita no meu blog, um beijo.

    ResponderExcluir
  15. uauuu q belo
    parabéns pelo texto
    um beijo

    ResponderExcluir
  16. NoOossa que bacana..
    Seu blog é demais..
    Obrigado pela visita e comentario ao meu blog..

    Meu computador tb ..as vezes soh pega quando quer hehehe..

    Parabens mais uma vez..
    Ate mais

    ResponderExcluir
  17. óia
    minha primeira aparição em seu blog
    xD~
    eu o vi relacionado a um q visito esporadicamente
    ...
    parabens pelas palavras.
    pelo neologismo..
    pela inteligencia das palavras..
    parabens mesmo..

    quando atualizar me grite..


    e tá ortogardo o direito d visitar o atualizado:
    www.bagageirodocurioso.spaceblog.com.br

    boa semana!
    =]~

    ResponderExcluir
  18. nus, tu não imagina o quanto amei o final desse texto. *-*
    perfeito. >_<
    foi tu quem fez? \o

    "Todas as pessoas que nos importam já foram um dia desconhecidas."
    e agora agradeço a Deus por tê-las comigo. *-*
    uma ótima semana. :D
    :*

    ResponderExcluir
  19. oi mocinha!
    tava navengando e achei teu blog por aqui =)
    Lindo o texto que escreveu...de certa forma todo mundo se identifica um pouco com ele!
    bjs

    ResponderExcluir
  20. Cadê você?
    Deu pane no computador de novo?
    Ou a inspiração fugiu?
    Eu também passo por isso às vezes, a danada foge e fica ali ao lado, me dando língua, sem colaborar. Eu então, só de birra, deixo ela me deixar sem palavras e arranjo quem as diga por mim, como nesse meu último post.
    Não some não... sinto falta do teu olhar sobre as coisas.

    Um beeijo!

    ResponderExcluir
  21. Não sabia que tu escrevia! gostei :D

    ResponderExcluir