segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

I don't want this to end

Arrasto a cadeira depressa, porque não possuo mais a eternidade que possuía há cinco minutos atrás. Posiciono-a abaixo do relógio, e me arrependo de ter desistido tão cedo do Ballet - que em instantes como esse me sustentaria nas pontas dos pés. Recordando minha coordenação motora deficiente, subo devagar e toco os ponteiros como quem afasta uma cortina inexistente de vapor do próprio tempo. Então decido: preciso adiar o inevitável. Preciso retroceder todos os minutos, todas as horas que desperdicei construindo respostas para perguntas que sequer foram pronunciadas para além das minhas próprias suposições. Preciso oferecer mais vida, mais alma, mais chances, porque preciso desesperadamente que não exista um fim.

10 comentários:

  1. 'Preciso oferecer mais vida, mais alma, mais chances, porque preciso desesperadamente que não exista um fim.'

    Eu também preciso, viu...
    ah, e mais uma vez me emocionou com o teu comentário lá no blog. Teu nome aparece nos meus textos porque tu já se tornou muito importante pra mim. De verdade.

    beeeijo :*

    ResponderExcluir
  2. De tudo o que a gente tem que conviver, acho que os fins são os piores, sejam por morte, ou sejam por falta de tempo, de interesse ou amor... e Larissa, se eu tivesse como voltar no tempo alguns meses, eu retardaria o relógio todo o dia e seria a melhor namorada do mundo, só para que não acabasse.
    Enfim, estava com saudades do seu texto, sumi por causa da escola... mas bem, foi bom estar de volta.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Nessas horas a vida ganha um valor ainda maior do que o já existente.
    A luta por ela se torna ainda mais ferrenha.

    A vontade de viver a vida... e o que falta pra muitas pessoas hoje em dia. As vezes, apenas uma deficiência física para fazê-los enxergar.

    Bela descrição, Lari.

    ResponderExcluir
  4. Essa qualidade efêmera da vida é que muitas vezes nos corta o coração.

    Meu beijo!

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto!
    Como sempre...
    Um beijo

    ResponderExcluir
  6. Porque finais machucam, é quando imaginar dói e lembrar dói.
    Lindo, como sempre.

    Te indiquei um "desafio" lá no meu blog, se quiser dar uma olhada e responder, está aqui: http://danielafilipini.blogspot.com/2010/12/desafio-dos-sete.html

    ResponderExcluir
  7. O fim é só uma porta para o começo, sabia?

    ;)

    Bom texto!

    ResponderExcluir
  8. intenso. cativante.
    pena que não é tão simples como apenas voltar os ponteiros..

    ResponderExcluir
  9. "[...]porque preciso desesperadamente que não exista um fim."

    O triste é que quase nunca adianta mover os ponteiros. Mas não nos custa tentar!

    ResponderExcluir
  10. Tem selo pra ti lá no meu blog.

    http://lufnunes.blogspot.com/2010/12/presentinhos.html

    Beijos =*

    ResponderExcluir