terça-feira, 13 de abril de 2010

Minha Neologia quer saber.

É que todos nós provavelmente já vivemos ou percebemos algo que jamais precisou ser dito para que acontecesse, para que existisse, para que apenas fosse, e fim. Mas todos nós já desejamos ou tivemos, por vezes, a necessidade íntima (e talvez mesmo inerente) de dizer. A necessidade de que se pudesse tocar ou sentir aquilo. Aquilo que poderia ser mais real quando escrito ou falado. Não poderia?


Minha Neologia quer saber
: Para as coisas ditas (escritas ou faladas), você acredita que exista uma forma correta e uma forma incorreta de comunicação? Você se considera preconceituoso(a) em relação aos desvios da norma padrão do Português?

13 comentários:

  1. Existem várias formas, e a chave é se comunicar. Mas existe sim, uma forma padrão, que é a base das adaptações, a certeza das dúvidas gramaticais e da própria fala. Existem mudanças da língua, mas existem erros que precisam ser considerados como erros, porque não modificam apenas, mas ferem o código.

    ResponderExcluir
  2. mas não mesmo. compreensão não se mede pelo herodito.

    ResponderExcluir
  3. Saber se comunicar é essencial. E, se foi criada uma norma para a comunicação, quem deseja se comunicar deve segui-la fielmente. Existe, sim, forma correta de se comunicar, e se uma pessoa não quer ser criticada pelos seus erros (gramaticais ou não), que não publique.

    ResponderExcluir
  4. Existe uma forma incorreta se avaliada a partir de conceitos gramaticos. mas a questao linguistica aceita certas adaptaçoes e vicios de linguagem a partir de que haja o dialogo, independente da norma culta, sendo abrangente as camadas privadas a informaçao ou nao.

    ResponderExcluir
  5. Matheus Ulisses Xenofonte14 de abril de 2010 04:57

    Tanto quanto de um país para outro quanto de um meio social a outro existe uma linguagem a ser seguida. Cabe a cada pessoa se adaptar a forma do lugar onde se está, mas lembrando que a forma padrão é sempre bem vinda.

    ResponderExcluir
  6. O conceito de forma correta e incorreta varia de acordo com o objetivo de cada pessoa. Objetivo porque depende de onde, quando, para que e para quem se quer fazer entender. Existem momento, situações, casos que necessitam de uma forma mais rebuscada no entanto existem outros que nem tanto.
    Acho que existe uma forma correta e incorreta para cada situação apresentada.

    Eu sou extremamente preconceituosa quando vejo algo escrito na forma coloquial para um público ou algo que necessite da maneira formal de escrita ou um erro absurdo falado.

    ResponderExcluir
  7. eu acredito que cada um se comunica da maneira que quiser, o importante é se fazer entender. mas claro, há situações (locais) onde há uma maneira mais "de acordo" pra se comunicar.

    falar (escrever) e ouvir (ler) o português padrão eu acho muito bonito, mas ninguém erraria se soubesse que está errando, então não me considero preconceituosa não.

    ResponderExcluir
  8. Na minha opinião a forma "certa" de escrever está ligada diretamente com o seu público alvo. Você vai se comunicar da forma mais adequada pra atingir aquele seu público. Bustando sempre o entendimento do que você está passando. Acho tambem importante a comunicação não verbal, o tom de voz, a entonação, as pausas, etc. Isso é muito importante pois ajuda a dar destaque a algumas ideias. Léo Amorim

    ResponderExcluir
  9. Léo Amorim (comentário acima) foi muito feliz no que disse.

    E é possível ver isso no nosso dia-a-dia, onde em uma mesma praça é possível ver um casal de idosos conversando de maneira formal, um grupo de skatistas com suas gírias, políciais utilizando termos técnicos para se comunicar através do rádio, ou até mesmo uma companhia de circo fazendo uma "apresentação muda", onde tudo o que é dito é representado através de expressões, gestos, entre outros.

    Concordo com a norma padrão de Português porque o modo formal de falar e escrever muito me agrada. Mas leva-se em consideração que não fomos e nunca seremos dependentes da mesma.

    Que excelente assunto para se abordar em um blog, Larissa. Eu adorei!

    Boa sorte com o desenvolvimento de ideias para seu futuro livro. Adorarei ter uma cópia comigo.

    O meu beijo.

    ResponderExcluir
  10. Hm, muito interessante esse post. É o tipo da coisa, eu não diria que é a forma "incorreta", mas sim que as coisas ditas de forma ignorante, insensível e afins são "indiferentes", o que não é algo muito legal, na minha opinião. ^^'
    Agora, sobre os desvios e tal. Depende de qual padrão estamos falando, mas se for sobre erros de Português ou coisas do tipo que as pessoas cometem frequentemente... nem o melhor especialista em Português consegue estar SEMPRE correto! É isso que eu acho. :)
    Muito interessante o post. :D
    Esperando por mais. :*

    ResponderExcluir
  11. Certissima...
    assim como todas as coisas na vida em que SEMPRE todos nós iremos passar essa eh uma...
    outro dia eu ouvi coisas que eu forcei serem ditas, pessoas fracas não sabem discutir...
    e acabam metendo nome dos outros nas conversas que n tem nada a ver como um mecanismo de defesa, gente sem assunto argumento n deveria começar uma discurssão...
    desde esse dia eu jurei p mim n discutir sobre qqr hipotese por uma razão que tenha duas versões...
    só por razões obvias, como isso n existe...

    (;

    ResponderExcluir
  12. se houvesse tal certo e errado o que seria Patativa do Assaré?
    poeta conhecido internacionalmente.

    ele viveu sob efeitos do preconceito de linguagem, mas venceu. E as respostas que ele dava para os cultos que criticavam a sua escrita eram algumas das poesias mais geniais que compôs.

    ResponderExcluir
  13. Não acredito que haja forma correta ou incorreta. Acredito que hajam formas adequadas, mas que quem escolhe a forma é justamente aquele que diz.
    Cada um se comunica de uma forma, seja pelas influências culturais, seja pelo próprio gosto.
    O importante é comunicar-se de modo que a sua ideia seja passada de forma clara.

    Grande beijo

    ResponderExcluir